ONU vai enviar missão de direitos humanos ao Chile

2019-10-24t171823z-120619613-rc179c69cd30-rtrmadp-3-chile-protests
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Sebastián Piñera, presidente do Chile, prepara-se para discursar em meio aos protestos desta quinta-feira (25) — Foto: Esteban Felix/AP Photo

A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, anunciou que enviará uma missão ao Chile para acompanhar a situação em meio aos protestos e distúrbios que ocorrem por todo o país. Com a medida, a representante da ONU segue a solicitação feita a ela por parlamentares da oposição e pelo presidente Sebastián Piñera.

“Depois de monitorar a crise desde o início, decidi enviar uma missão de verificação para examinar as queixas de violações dos direitos humanos no Chile. Parlamentares e governo manifestaram interesse em receber uma missão”, disse a ex-presidente chilena em comunicado.

Manifestantes com rosto coberto atacam blindado de forças de segurança durante protesto em Valparaíso, no Chile, nesta quarta-feira (24) — Foto: Rodrigo Garrido/Reuteres
Manifestantes com rosto coberto atacam blindado de forças de segurança durante protesto em Valparaíso, no Chile, nesta quarta-feira (24) — Foto: Rodrigo Garrido/Reuteres

Manifestantes ocupam as ruas de Santiago nesta quinta-feira (24), mais um dia de manifestações no Chile — Foto: Martin Bernetti/AFP
Manifestantes ocupam as ruas de Santiago nesta quinta-feira (24), mais um dia de manifestações no Chile — Foto: Martin Bernetti/AFP

A confirmação de Bachelet veio minutos depois que o ministro das Relações Exteriores, Teodoro Ribera, informou que Sebastián Piñera a contatou para pedir que enviasse pessoal. “O presidente também ratificou seu interesse em proporcionar o maior acesso a essas pessoas. O presidente também chamará pessoalmente o Alto Comissário para ratificar sua disposição de facilitar o acesso dessas pessoas onde desejarem”, afirmou o ministro.

Mais manifestações

Manifestante empunha bandeira do Chile em barricada em Valparaiso, nesta quinta-feira (24) — Foto: Rodrigo Garrido/Reuters
Manifestante empunha bandeira do Chile em barricada em Valparaiso, nesta quinta-feira (24) — Foto: Rodrigo Garrido/Reuters

O Chile enfrenta um novo dia de manifestações nesta quinta-feira (24), depois dos dias de tumultos sociais que totalizam 18 mortes e que não parecem ceder, em um país onde muitos querem voltar à vida normal, enquanto outros optam por continuar nas ruas em busca de uma mudança profunda no sistema econômico. Nesta noite, a região metropolitana de Santiago e diversas outras regiões passarão mais uma vez por toque de recolher.

A Central Única de Trabalhadores (CUT) e cerca de 20 organizações sociais convocaram um segundo dia de paralisação nesta quinta-feira, mas, pela manhã, muitos habitantes foram trabalhar no centro de Santiago, e o comércio abriu timidamente suas portas.

“O que o presidente Piñera fez até agora é polarizar e estressar o país. Hoje temos jovens nas ruas com um rifle nas mãos contra seus compatriotas”, criticou Barbara Figueroa, presidente da CUT, o sindicato mais poderoso do Chile.

Estudantes aguardam metrô, cujo serviço voltou a funcionar parcialmente em Santiago, no Chile, nesta quinta-feira (24) — Foto: Rodrigo Abd/AP Photo
Estudantes aguardam metrô, cujo serviço voltou a funcionar parcialmente em Santiago, no Chile, nesta quinta-feira (24) — Foto: Rodrigo Abd/AP Photo

Durante a noite, no quinto dia de toque de recolher, os tumultos se acalmaram no centro de capital, embora na periferia a situação permanecesse tensa, com saques e incêndios que não param. O país está em estado de emergência e com milhares de pessoas e militares nas ruas.

Nesta quinta, o presidente Sebastián Piñera anunciou um plano para acabar com o toque de recolher aplicado por cinco dias consecutivos em várias regiões do país desde que uma crise social teve início na semana passada.

Sebastián Piñera, presidente do Chile, prepara-se para discursar em meio aos protestos desta quinta-feira (25) — Foto: Esteban Felix/AP Photo
Sebastián Piñera, presidente do Chile, prepara-se para discursar em meio aos protestos desta quinta-feira (25) — Foto: Esteban Felix/AP Photo

“Estamos trabalhando em um plano para normalizar a vida do nosso país (…) para poder terminar com o toque de recolher e, com sorte, também poderemos suspender o estado de emergência”, disse o presidente em uma mensagem à imprensa.

O plano começou a ser aplicado a partir de quarta-feira em Santiago, onde o toque de recolher foi reduzido para seis horas, das 22h às 16h.

Estado de emergência

Manifestante com bandeira do Chile pede 'dignidade!' em protesto em Santiago nesta quinta-feira (24)  — Foto: Henry Romero/Reuters
Manifestante com bandeira do Chile pede ‘dignidade!’ em protesto em Santiago nesta quinta-feira (24) — Foto: Henry Romero/Reuters

O estado de emergência foi decretado no sábado, após um violento dia de protestos na sexta-feira pelo aumento de quase 4 centavos no bilhete do metrô. Depois, a pauta dos manifestantes incluiu outras demandas sociais, com saques em supermercados e empresas, além de queima de várias estações de metrô.

Até agora, chega a 18 o número de mortos pelas manifestações, entre eles cinco agentes do Estado, em meio a crescentes denúncias de abuso policial e militar.

Um relatório mais recente do Instituto Nacional de Direitos Humanos (NHRI) também relata que 535 pessoas ficaram feridas — 239 delas por armas de fogo — e 2.410 foram detidas.

Manifestante vestido de palhaço em frente a barricada montada em Valparaíso, no Chile, nesta quinta-feira (24) — Foto: Rodrigo Garrido/Reuters
Manifestante vestido de palhaço em frente a barricada montada em Valparaíso, no Chile, nesta quinta-feira (24) — Foto: Rodrigo Garrido/Reuters

Com os militares vigiando as estações das três linhas do metrô que funcionam parcialmente, muitos dos sete milhões de habitantes de Santiago tentaram retornar à normalidade sete dias após o início da crise.

No dia anterior, quatro hotéis foram saqueados e moradores usando coletes amarelos realizaram rondas de vigilância em comunidades periféricas para evitar roubos e saques.

Crise que não cede

Manifestantes agitam bandeiras em Valparaíso, no Chile, nesta quinta-feira (24) — Foto: Rodrigo Garrido/Reuters
Manifestantes agitam bandeiras em Valparaíso, no Chile, nesta quinta-feira (24) — Foto: Rodrigo Garrido/Reuters

As manifestações se tornaram um movimento muito maior, heterogêneo e sem liderança identificável, o que coloca outras demandas sobre a mesa, principalmente um aumento nas aposentadorias muito baixas no sistema de capitalização, que permanece como uma herança da ditadura de Augusto Pinochet (1973- 1990).

“Esta já é a reivindicação de um país inteiro. Estamos cansados”, gritou um manifestante no meio de uma multidão que fez um panelaço nas ruas de Santiago.

O anúncio de uma série de medidas por parte do presidente Piñera na terça-feira parece não ter tido o efeito desejado.

O governo prometeu uma melhoria nas pensões dos mais pobres, a suspensão de um aumento de 9,2% nas contas de luz, um aumento no salário mínimo, mais impostos para aqueles com renda mais alta e uma diminuição nos gastos parlamentares e altos salários públicos.

“Esperávamos que esse momento de conflito social aumentasse a sensibilidade, mas são as mesmas propostas de meses atrás”, lamentou Izkia Siches, presidente da Faculdade de Medicina, também presente nas mobilizações.

Na terça-feira, Piñera pediu “perdão” e reconheceu sua “falta de visão” para antecipar a crise, dois dias depois de afirmar que o país estava “em guerra”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

Quer receber mais conteúdos brilhantes como esses gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nosso conteúdos por email
e seja um membro da Comunidade Drawfast!

PubliOn Digital ©2020. Todos os direitos reservados.

Criação & Design

Marca, logotipo, identidade visual, catálogo, portfólio, folder, apresentação, anúncio, peça publicitária, banners, embalagem, comunicação de PDV, papelaria, sinalização, fachadas, etc.

Gestão de Redes Socias

Planejamento e execução, interação com o público, aumento de audiência, engajamento, geração de conteúdo, publicidade, análise, monitoria e gerenciamento completo.

Marketing Digital

Campanhas no Google, Facebook, Linkedin, Youtube, Instagram, anúncios gráficos, animados, mobile, remarketing, portais e blogs, otimização web (SEO), e-mail marketing, presença digital completa.

Consultoria de Marketing Digital

Planejamento e consultoria de marketing, campanhas de incentivo, ativação da marca, geração de tráfego qualificado, aumento de conversão e vendas, endomarketing, KPIs de performance e monitoria.

Criação de Websites

Desenvolvimento de website profissionais e responsivos, e-commerce, landing page, hotsite, portal corporativo, blog, mobile, projetos especiais, etc.

Inbound Marketing

Planejamento, implantação, execução e mensuração. Produção de conteúdo, notícias, videos, whitepapers, ebooks, artigos para blog, entre outros.